sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Ilusão.

Eu acreditei que a gente era de verdade, que tudo era de verdade, as promessas, os beijos, os carinhos, os abraços, o futuro, os sonhos, e o amor. Mas eu me enganei. Nossa história não passava de uma grande mentira. As promessas e tudo que veio com elas eram mentiras. Um teatro bem interpretado por alguém que precisava gastar um tempo antes de partir para o próximo espetáculo, mas o que eu sentia, cara, não era brincadeira. Eu me perdi quando não consegui interpretar na sua falta de feição que cê tava vazio e fui me preenchendo com a ideia de que, da nossa maneira, estávamos dando certo. Nunca demos, agora eu sei. Não se ama sozinho, não é? E eu amei, eu ia me enganando que a gente se amava igual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário